Motivos para se Estudar a Bíblia - #1






Estudar a Bíblia? Tá de Brincadeira? Por que deveria eu estudar? Bem, para conhecer a Deus e ser orientado por Ele!

É impossível citar todos os motivos para se Estudar a Bíblia. Não tem como colocarmos em tópicos, ou seja, não há como falar que são 1 ou 50 motivos. Estudar a Bíblia não é para teólogos, ou melhor, para estudiosos por ofício apenas. Todos somos teólogos (alguns de maneira leiga, outros não). Teologia é o estudo de Deus. Estudar a Bíblia é conhecer a Deus

Com essa clareza, estou escrevendo vários motivos para se Estudar a Bíblia. A cada postagem estarei expondo pensamentos organizados sobre uma razão para estudar. Não será algo cansativo ou com termos estranhos. É um pensamento, uma base para que possamos estudar a Bíblia.


Estudar será a nossa palavra base para argumentos. Segundo os dicionários, podemos definir estudar como:


Estudar  - Dicionário Priberam

1. Fazer o possível para conhecer ou compreender.
2. Analisar atentamente.
3. Examinar, observar.

Estudar – Dicionário Michaelis

1. Aplicar a inteligência ao estudo de;
2. Analisar, examinar detidamente;
3. Aplicar o espírito, a inteligência, a memória para adquirir conhecimentos;
4. Observar-se, analisar-se, procurar conhecer-se.

Estudar – Dicionário Aurélio

1. Fazer o possível para conhecer ou compreender.
2. Analisar atentamente.
3. Examinar, observar.



Observando as três definições, podemos colocar como palavra-chave analisar. Estudar não é o mesmo que ler. Não devemos apenas ler a Bíblia. É fato que a Bíblia não é um manual de instruções de uma religião. A leitura, portanto, não deve ser feita da mesma maneira que olhamos as regras de um clube – isso pode, isso não.


Para iniciar a série Motivos para se estudar a Bíblia elegi a necessidade de sermos orientados por Deus.

o   Ser orientado por Deus: Sl 119:129-136


“Orienta cada um de meus passos segundo a tua palavra para que eu não seja dominado por algum pecado.”  Salmos 119.133


Esse salmo declara o anseio de estar com Deus. Os versos 129 e 130, o salmista canta as maravilhas da condução de Deus através do entendimento iluminado pela palavra e aos mandamentos obedecidos. O verso 131 contém um anseio. Do verso 132 ao 135 há um pedido maravilhoso. Após exaltar, ele pede para viver isso.

O Salmista pede a orientação dos passos para que ele não seja dominado pelo pecado. Em Romanos 6:12 Paulo admoesta os irmãos a cuidarem, a não deixarem os desejos os dominarem novamente, a ter cuidado com o corpo. O pecado tira nossa visão, e assim perdemos a noção, totalmente. Somos dominados – escravos, ficamos alienados.

“Quando a tua palavra é revelada ao homem, ilumina o seu caminho. Ela dá sabedoria às pessoas de coração aberto.” Salmos 119.130

O Salmista pede a direção de Deus. Ele estando no propósito de Deus, será abençoado – não digo por coisas terrenas, mas em cumprir o propósito d’Ele.

Que propósito? Bem, vamos analisar rapidamente tudo o que aconteceu na história imediatamente anterior ao Salmo. Deus criou tudo. O homem pecou e sofreu consequências. Deus já manifesta o propósito de salvação, redenção. Deus elege alguns homens e assim traça a história a caminho da redenção. Houve etapas em que uma família se multiplica, viram escravos, são libertos e assumem formas tribais. Passam a ser liderados por Juízes até assumir um reino monárquico. Estamos neste período, em que uma nação está sendo organizada para que Deus continue se revelando na história.

O propósito de Deus é a reconciliação com o homem, a redenção, através de Jesus. Mas para que isso possa acontecer, ele elegeu uma família para originar uma nação que seria responsável pela difusão dessa ‘bênção’ (Gn 12).

Os salmos não foram escritos apenas por Davi. São 150 orações cantadas, louvores a Deus, lamentações do povo, poemas, súplicas, pedido de direção e conselhos, confissão de pecados, oráculos messiânicos, etc.

Então chegamos no salmo que estamos estudando. O compositor pede direção para continuar no plano de Deus, de preparar tudo para o messias (mesmo que inconsciente). Fazer a vontade de Deus, cumprir o propósito está além do tempo e espaço. Será que os salmistas saberiam que os escritos seriam analisados mais de dois mil e quinhentos anos?

Mesmo a nação de Israel compreendendo errado o sentido de abençoar as outras nações, isso iria acontecer através de Jesus. Ser abençoado é oferecer o que você tem a quem necessita.

Nos versos 134 e 135, após o salmista pedir a direção de Deus, mostrando assim a completa entrega e confiança, faz uma súplica. Notamos que toda súplica nesse conjunto de versos tem um objetivo claro: obediência. Ensina-me teus decretos; que nenhum pecado me domine.

O verso que encerra, 136, demonstra o sentimento de pesar do salmista para com as pessoas que não são guiadas, que não obedecem aos mandamentos. Todas as traduções Bíblicas destacam com ênfase, citando como rios de águas pelos olhos. É claro que não é literal, e sim uma linguagem figurada. A bíblia não pode ser interpretada em sua totalidade de maneira literal (principalmente o conjunto poético), porém, nem sempre de maneira figurada. Está aí a importância do estudo secular (não gosto de dividir como secular e religioso/gospel).


Bem, como já escrito anteriormente, esta série serve para mostrar a importância de se conhecer a Deus, de conhecer sobre a ação de Deus na história, de estudar a Bíblia, e não apenas ler. É muito bom ter uma meta traçada para se ler em um ano a Bíblia. Porém devemos sempre fazer um devocional, ler com calma, ler ‘degustando’, afinal, como Eugene Peterson discorre em uma obra literária, ‘Coma este livro’¹.

Deixo para que venhamos refletir o que Paulo escreveu em I Timóteo Cap. 4. São conselhos de um velho Apóstolo.







¹ PETERSON, Eugene. Cómete este libro: recibe lo que Dios revela [Coma este livro: receba o que Deus revela]. Brasil: Editorial Pataos, 2011. 208p.





Por: Félix Martins Lírio