Discipulado em esboço



A vinda de Jesus ao mundo teve como propósito o sacrifício expiatório. Em sua vida dedicou-se na formação de alguns discípulos, e estes para agirem da mesma maneira até que o Evangelho do Reino alcançasse o mundo todo. Eram homens simples, e no período que Jesus os ensinou, não estavam totalmente cientes do propósito de Jesus e nem de sua morte precoce.


Contudo, o estilo de vida de Jesus foi o modelo a ser imitado por todos eles. O discipulado não se restringe à mudança comportamental total. É muito mais comportamental do que visual. A maneira ‘visual’ do discipulado em nossa vida fica condicionada aos dons de cada indivíduo e ao papel de cada um na sociedade onde está inserido. Somos chamados a desempenhar um papel condizente com nosso estilo de vida e vocação.


Não preciso obrigatoriamente ser o melhor comunicador e mais espontâneo a partir do discipulado. Meu caráter e a essência dos atos devem refletir Jesus no meu círculo de amigos e pessoas com quem me relaciono através do trabalho. Não são todos os que tem o chamado específico ao pastorado de maneira integral.


Lamentavelmente, poucos entendem significado, especialmente quando diz respeito ao modo de vida. Alguns líderes de igrejas não têm a menor ideia do que seja ensinar alguém a observar e a guardar tudo o que Jesus ordenou. Assim, não causa surpresa o fato de muitas pessoas não conseguirem ir muito longe em sua peregrinação de fé, nem aprenderem a construir uma sociedade melhor.


O ‘siga-me’ de Jesus aos discípulos tinha por objetivo a aplicação integral ao ministério, e a partir deles, todo desencadeamento para que o Evangelho do Reino chegasse aos confins da terra. Ressalto que nos evangelhos vemos várias pessoas que participavam ativamente do ministério de Jesus e do reino sem estar no chamado integral.






Por Félix M. Lírio